Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Gedit’

(See this post in english)

Eu acabei de corrigir alguns bugs no plugin Rails Footnotes e agora temos suporte completo para Ubuntu Linux  (Deveria funcionar em outras distros também, porém apenas usando o Gnome e o Gedit são suportados até agora).

Agora você poderá abrir qualquer arquivo listado nos stack traces exibidos no browser (Firefox) além de obter todos os demais benefícios dos Footnotes no final de suas páginas durante o desenvolvimento.

Veja os screenshots para ter uma idéia dos benefícios:

Footnotes Filters

Na imagem acima estamos mostrando a cadeia de filtros (Filter chain) do controller atual, mas podemos facilmente abrir o arquivo do controller, view, layout, estilos, javascripts direto no Gedit apenas clicando em um link, e, podemos também ver os Selects executados no banco de dados, log, Informações do ambiente, logs, routes e muito mais.

Footnotes Stack Trace

Na imagem acima estamos vendo um stack trace, então ao clicar em um dos links criados pelo plugin Footnotes, o Gedit já abre tal arquivo com o cursor posicionado corretamente sobre a linha onde o erro ocorreu.

Você pode fazer o download do plugin com suporte para linux aqui (Github master tree)

Para obter instruções sobre o processo de instalação, veja o arquivo README que está no pacote do plugin ou acesse a Página do projeto no Github.

Você pode também ler mais sobre este plugin no meu primeiro post sobre ele, e ainda assistir a um pequeno screencast mostrando sua funcionalidade.

Read Full Post »

(Ver este artigo em português)

I have just fixed some issues on Rails Footnotes plugin, and now we have full support for Ubuntu linux (this should work with other distros too, but only Gedit and Gnome are supported for now.

Now you can open any files listed on stack trace, and get all bennefits of Footnotes just bellow your pages during development.

Se the screenshots to get an Idea of beneffits:

Footnotes Filters

In image above we are showing the Filters chain of current controller, but we can easily, open the controller, view, layout, styles or javascripts files in Gedit by just one click in the link, and we can also see the database queries performed, log, Environment, Routes and much more.

Footnotes Stack Trace

In the image above we are seeing a stack trace, then we clicked on  a link created by Footnotes plugin, and Gedit just opened that file and switched the cursor to the correct line.

You can download the  plugin with linux support directly from here (Github master tree)

To get instructions about installation process point to README file on package or go to Footnotes Project Page on Github

You can also read more about this plugin on my first post about it (In Portuguese), and also watch a little screencast showing the plugin in action.

Read Full Post »

O usuários do Mac e do Textmate contam com alguns benefícios quando se desenvolve em Rails, visto que boa parte dos desenvolvedores do Rails, inclusive do core-team utilizam esta plataforma e editor de texto. em busca de melhorar a experiência dos usuários linux fui verificar a possibilidade de portar mais um plugin bastante interessante, o rails-footnotes.
Este plugin oferece algumas funcionalidades bem interessantes, e uma das funcionalidades que eu acho mais útil é que ele transforma o backtrace de um erro exibido do browser em links, onde você pode clicar, e o editor de texto abrirá o arquivo listado no trace posicionando o cursor na linha indicada, facilitando e muito na hora de seguir o rastro de um bug.
No momento a única funcionalidade que eu portei, foi o backtrace, quem sabe no futuro eu verifique a possibilidade de portar mais funcionalidades
Assim que sobrar um tempinho vou solicitar ao drnic para dar um merge das alterações que eu realizei no plugin para que todos possam ter acesso, por enquanto você pode instalar o plugin através do meu fork no github

Para instalar o plugin em sua aplicação rails faça o seguinte:

script/plugin install http://github.com/lexrupy/rails-footnotes.git vendor/plugins/footnotes

para que o plugin funcione no Gedit é necessário instalar o url-handler para que o navegador saiba que um link apontando paratxmt://open?file=…. tenha que abrir o arquivo na linha x. para isso faça o seguinte logo após a instalação normal do plugin:

cd vendor/plugins/footnotes
sh linux_install.sh

Este processo de instalação precisa ser realizado apenas uma vez, então depois que você instalar o plugin no seu linux na primeira vez, poderá apenas executar a primeira etapa para quaisquer outra aplicação que desejar.

Note que para instalar você precisa ter em mãos sua senha do sudo.

Para quem não conheçe a suite de plugins para melhorar a usabilidade do gedit com aplicações Rails clique aqui

Veja um pequeno vídeo do plugin em funcionamento:

Read Full Post »

Tabulações, Espaços, Nível de tabulação, etc, todas estas configurações no gedit são manuais, você precisa ir no menu Editar, Preferências e encontralas para modificar o comportamento certo?

Errado

Existe um plugin chamado “modelines” que tenho certeza que muita gente já viu lá na lista de plugins mas não sabe para que serve. bem vamos a uma breve explicação:

Alguns editores de texto, como o Vim, Emacs e até mesmo o Kate, suportam um recurso com este nome, que nada mais é que incluir uma linha no arquivo em edição para definir o modo de operação sobre este arquivo mode-line.

antes a definição mínima:

“ShiftWidth é a quantidade de espaços que são inseridos para cada TAB”

“TabStop é a quantidade de espaços que um TAB vai ocupar na visualização”

vejamos um exemple de modeline do vim:

# vim:set ts=4 sw=4 noexpandtab:

que significa:

defina o tabstop para 4 e o shiftwidth para 4 e não expanda os tabs para espaços.

podemos utilizar esta mesma linha no gedit com o plugin modeline ativado.

um exemplo para arquivos ruby seria:

# vim:set ts=2 sw=2 expandtab nowrap textwidth=80

ou seja, estamos definindo para trocar tabs por espaços utilizando um tabstop/shiftwidth de 2 caracteres, não queremos que ele quebre as linhas e queremos a régua de texto na posição 80 caracteres.

um exemplo para python seria algo como:

# vim:set ts=4 sw=4 expandtab nowrap textwidth=80

basicamente a mesma coisa só que com um tabstop/shiftwidth de 4 caracteres.

experimente colocando esta linha no início do seu arquivo e ir modificando ela e vendo os resultados automaticamente.

esta linha funciona no gedit para qualquer linguagem, basta estar presente no arquivo nas primeiras 3 linhas em um comentário. o aconselhável é você utilizar o plugin de snippets(trechos) para criar um header para cada tipo de arquivo que você utiliza, onde você pode além desta informação colocar a licença de uso etc etc… a criatividade é sua.

Não deixe de conferir meu set de plugins para tornar o gedit uma “Rails IDE”

Read Full Post »

Some months ago since I started using jEdit I also started improving the gtksouceview language definition for ruby and Rails code for use with Gedit, because in most of cases Gedit is faster than jEdit, Now I have some improvements to show.
I used as base for show improvements some screenshots that I made from Railscasts, so I got some episodes that have the “little things” I’ve changed.
This first is a screnshot of Railscasts Episode 33, here we can see the function name properly highlighted and also some Rails specific methods. We can compare the Gedit Screenshot to TextMate screenshot and see that all:

 

Here we have a rhtml (html.erb) shippet from Episode 37, all tags are highighted properly, including xml markup and erb markup “<%= %>”:

In this (Episode 62) we have a classmethod correctly highlighed (here I prefered to let “self” keyword in the same color of methodname, but is possible to change in future), and the method definitions including method names ending with ?, ! (= signal in the first screenshot):

And last an example of string interpolation (Episode 69), that already exists in original language definition but doesn’t work(I don’t know exactly why), the approach of original attemp is to change the context of string back to main context, by this way the code “should” be highlighted as normal ruby code, and in theory could be other interopated strings in many levels, but, that doesn’t work and I changed to just colorize (I mean this should be the default and correct way) and interpolation is highlighted properly:

 

You can download a package I made, containing some useful plugins, code snippets and
the language definition. this pack is very useful also if you just installed linux (I use ubuntu) and need quick setup to a Rails development environment

The package also include Extract partial plugin and a Smart indent plugin

How to install.

download the package here in some place
open a terminal go to the place of download and type

$tar -zxvf [name of downloaded tarball]
$./install.sh

WARNING: Some commands need sudo password, so you will be asked.

Open gedit chose your preferred color, enable your preferred plugins and enjoy.
(The package also include the TODO-List plugin and you will need to follow plugin README to install)

Gmate Project Page

Read Full Post »

Many thanks to Firmansyah Adiputra Now we get gedit TODO List working properly with Firefox 3 and Ubuntu 8.04

Download the 0.1.4b version from sourceforge install and enjoy.

Read Full Post »

A maioria dos screencasts que vemos na internet sobre Rails os autores utilizam Mac + OSX + TextMate, na verdade eu não lembro de um que não estivesse usando uma configuração parecida. Em quase todo lugar tem alguém falando “ah aquela fonte bonitinha dos screencasts” qual é a fonte que eles usam no Mac? Essa tão famigerada fonte chama-se Monaco, e é uma fonte padrão da Apple, que parece que foi adotada pela maioria dos desenvolvedores Rails.

Mas e nós? meros usuários de Linux+Gedit ou outra combinação, ou até mesmo que usa Windows+e-texteditor ou outra combinação. bem, outro dia sem querer encontrei este post onde encontrei uma versão ttf da tal fonte. A versão encontrada neste post é a versão 2.0 (bem antiga) mas algum tempo depois ele fez um novo post com uma versão mais nova da fonte (5.1)

Detalhes:

versão inicial (5.1) da fonte não rendeniza corretamente em algumas aplicações do Linux, incluindo o Gedit, felizmente o autor do post incluiu uma versão corrigida.

A versão 5.1 no Windows (no computador que eu testei) não é reconhecida como mono-espaçada, embora tecnicamente ela seja, sento que para aplicações que necessitam obrigatoriamente uma fonte monoespaçada a solução é se referir à versào antiga da fonte. Se você pegar os dois arquivos de fonte em um visualizador vai verificar que há bastante diferença entre uma fonte e outra, a mais notável é o espaçamento entre caracteres.

Outro impecílio é que no Linux (ao menos no Ubuntu) a fonte aparecia meio “quadriculada”, realmente bem estranha no meu monitor LCD, pois eu tenho habilitadas as configurações de “suavização  de sub-pixel” e “contorno completo”. A fonte fica praticamente inutilizável se for comparar com qualquer outra Mono-espaçada que já estão disponíveis no Linux (Dejavu Sans Mono, Biststream Vera Sans Mono, Monospaced).

A solução foi criar uma configuração específica para a fonte Monaco, e fazer com que ela ignore as configurações default.

Primeiro passo: Criar um arquivo chamado .fonts.conf (com o ponto no início) dentro do diretório home:

$ gedit ~/.fonts.conf

e então colocar o seguinte conteúdo neste arquivo:

<?xml version="1.0"?>
<!DOCTYPE fontconfig SYSTEM "fonts.dtd">
<fontconfig>
  <match target="font">
    <test qual="any" name="family">
      <string>Monaco</string>
    </test>
    <edit name="autohint" mode="assign">
      <bool>true</bool>
    </edit>
    <edit name="hintstyle" mode="assign">
      <const>hintnone</const>
    </edit>
  </match>
</fontconfig>

feito isso, a fonte fica em um estado muito mais legível e perfeitamente utilizável para o desenvolvimento.

Veja os screenshots do antes de do depois:

Antes:

Depois

 

para evitar problemas com aspas, copie o código daqui.

Read Full Post »

Liberada nova subrelease do gedit-todo, contendo apenas a correção de um bug que poderia impossibilitar o uso do plugin em um ambiente multiusuário.

obtenha a nova versão em sourceforge.net


Is out a new gedit-todo subrelease, just to fix a bug that could impossibility the use of todo-plugin in an multiuser environment. check out the new version at sourceforge.net

Read Full Post »

Quem nunca quis utilizar o subversion ou o cvs diretamente do editor gedit?

Acredito que muitas pessoas já procuraram por algum plugin que fizesse isto. Mas a solução pode ser mais simples do que encontrar um plugin novo, e nem é preciso criar um plugin novo, basta utilizar um existente que já vem no pacote oficial de plugins do Gedit, eu falo do External Tools (Ferramentas Externas em português), este plugin simplifica a utilização de comandos do shell a serem executados dentro do Gedit, criando para cada comando adicionado, uma entrada no menu Tools(Ferramentas). Para facilitar as coisas é possível pegar o path do arquivo atual do Gedit e a pasta de trabalho para trabalhar com elas pois estas informações encontram-se em variáveis do sistema.

Vamos por a mão na massa então:

Como eu uso uma distribuição “Debian Based”, vou abordar a instalação com este tipo de sistema.

O primeiro passo seria instalar o pacote de plugins oficial do gedit, que pode ser obtido através do comando:

$ sudo apt-get install gedit-plugins

instalado podemos ativar o plugin external-tools

Activate external tools

Clicando no botão “Configure Plugin”, podemos acessar a tela de adição e edição de comandos externos.

External tools config screen

Eu criei alguns que eu achei úteis para o subversion:

Add – Adicionar arquivo ao controle de versão:Configurações
Input: Nada
Output: Painel Inferior
Applicability : Todos os documentos exceto não salvosCódigo:

Código:

#!/bin/sh
echo "Executing svn add......"
svn add $GEDIT_CURRENT_DOCUMENT_PATH
echo "svn add has been executed."

Commit – Enviar Arquivos para o controle de versão

Configurações
Input: Nada
Output: Painel Inferior
Applicability : Arquivos Locais apenas

Código:

#!/bin/sh
echo "Executing svn commit......"
MESSAGE=`zenity --width 520 --entry
--title="SVN - COMMIT" --text="Enter a comment"`
svn commit $GEDIT_CURRENT_DOCUMENT_DIR -m $MESSAGE
echo "svn commit has been executed with message '$MESSAGE'."

Revert – Desfazer alterações locais no arquivo restaurando o original

Configurações
Input: Nada
Output: Painel Inferior
Applicability : Arquivos locais apenas

Código:

#!/bin/sh
echo "Executing svn revert......"
zenity --question --text="This operation cannot be undo. do
you realy want to continue?"
if [ $? != 1 ]; then
    svn revert $GEDIT_CURRENT_DOCUMENT_PATH
    echo "svn revert has been executed."
else
    echo "svn revert not executed"
fi

Status – Exibe o status dos arquivos versionados

Configurações
Input: Nada
Output: Painel Inferior
Applicability : Todos os documentos

Código:

#!/bin/sh
echo "Executing svn status......"
svn status $GEDIT_CURRENT_DOCUMENT_DIR

Todos os comandos foram escritos em script shell e podem ser melhorados,
além de poder criar novos adequando para a sua necessidade. alguns deles utilizam o zenity para exibir caixas de dialogo com o usuário, no meu sistema (ubuntu 7.10 Gutsy) já veio instalado,caso o seu sistema não possua tente instalar via apt-get ou visite o sitedo projeto.

Read Full Post »

Para fazer seu gedit ficar mais parecido ainda com o textmate, você pode serguir as dicas deste blog :

http://grigio.org/textmate_gedit_few_steps

e mais um pouco de informação, aqui:

http://blog.nationcode.com/2007/5/30/emular-textmate-en-linux

More gedit/textmate

To get your gedit like textmate, you can folow the tips from this blog:

http://grigio.org/textmate_gedit_few_steps

and more information, here:

http://blog.nationcode.com/2007/5/30/emular-textmate-en-linux

Read Full Post »

Older Posts »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.