Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘rails’

(See this post in english)

Eu acabei de corrigir alguns bugs no plugin Rails Footnotes e agora temos suporte completo para Ubuntu Linux  (Deveria funcionar em outras distros também, porém apenas usando o Gnome e o Gedit são suportados até agora).

Agora você poderá abrir qualquer arquivo listado nos stack traces exibidos no browser (Firefox) além de obter todos os demais benefícios dos Footnotes no final de suas páginas durante o desenvolvimento.

Veja os screenshots para ter uma idéia dos benefícios:

Footnotes Filters

Na imagem acima estamos mostrando a cadeia de filtros (Filter chain) do controller atual, mas podemos facilmente abrir o arquivo do controller, view, layout, estilos, javascripts direto no Gedit apenas clicando em um link, e, podemos também ver os Selects executados no banco de dados, log, Informações do ambiente, logs, routes e muito mais.

Footnotes Stack Trace

Na imagem acima estamos vendo um stack trace, então ao clicar em um dos links criados pelo plugin Footnotes, o Gedit já abre tal arquivo com o cursor posicionado corretamente sobre a linha onde o erro ocorreu.

Você pode fazer o download do plugin com suporte para linux aqui (Github master tree)

Para obter instruções sobre o processo de instalação, veja o arquivo README que está no pacote do plugin ou acesse a Página do projeto no Github.

Você pode também ler mais sobre este plugin no meu primeiro post sobre ele, e ainda assistir a um pequeno screencast mostrando sua funcionalidade.

Read Full Post »

(Ver este artigo em português)

I have just fixed some issues on Rails Footnotes plugin, and now we have full support for Ubuntu linux (this should work with other distros too, but only Gedit and Gnome are supported for now.

Now you can open any files listed on stack trace, and get all bennefits of Footnotes just bellow your pages during development.

Se the screenshots to get an Idea of beneffits:

Footnotes Filters

In image above we are showing the Filters chain of current controller, but we can easily, open the controller, view, layout, styles or javascripts files in Gedit by just one click in the link, and we can also see the database queries performed, log, Environment, Routes and much more.

Footnotes Stack Trace

In the image above we are seeing a stack trace, then we clicked on  a link created by Footnotes plugin, and Gedit just opened that file and switched the cursor to the correct line.

You can download the  plugin with linux support directly from here (Github master tree)

To get instructions about installation process point to README file on package or go to Footnotes Project Page on Github

You can also read more about this plugin on my first post about it (In Portuguese), and also watch a little screencast showing the plugin in action.

Read Full Post »

O usuários do Mac e do Textmate contam com alguns benefícios quando se desenvolve em Rails, visto que boa parte dos desenvolvedores do Rails, inclusive do core-team utilizam esta plataforma e editor de texto. em busca de melhorar a experiência dos usuários linux fui verificar a possibilidade de portar mais um plugin bastante interessante, o rails-footnotes.
Este plugin oferece algumas funcionalidades bem interessantes, e uma das funcionalidades que eu acho mais útil é que ele transforma o backtrace de um erro exibido do browser em links, onde você pode clicar, e o editor de texto abrirá o arquivo listado no trace posicionando o cursor na linha indicada, facilitando e muito na hora de seguir o rastro de um bug.
No momento a única funcionalidade que eu portei, foi o backtrace, quem sabe no futuro eu verifique a possibilidade de portar mais funcionalidades
Assim que sobrar um tempinho vou solicitar ao drnic para dar um merge das alterações que eu realizei no plugin para que todos possam ter acesso, por enquanto você pode instalar o plugin através do meu fork no github

Para instalar o plugin em sua aplicação rails faça o seguinte:

script/plugin install http://github.com/lexrupy/rails-footnotes.git vendor/plugins/footnotes

para que o plugin funcione no Gedit é necessário instalar o url-handler para que o navegador saiba que um link apontando paratxmt://open?file=…. tenha que abrir o arquivo na linha x. para isso faça o seguinte logo após a instalação normal do plugin:

cd vendor/plugins/footnotes
sh linux_install.sh

Este processo de instalação precisa ser realizado apenas uma vez, então depois que você instalar o plugin no seu linux na primeira vez, poderá apenas executar a primeira etapa para quaisquer outra aplicação que desejar.

Note que para instalar você precisa ter em mãos sua senha do sudo.

Para quem não conheçe a suite de plugins para melhorar a usabilidade do gedit com aplicações Rails clique aqui

Veja um pequeno vídeo do plugin em funcionamento:

Read Full Post »

Tabulações, Espaços, Nível de tabulação, etc, todas estas configurações no gedit são manuais, você precisa ir no menu Editar, Preferências e encontralas para modificar o comportamento certo?

Errado

Existe um plugin chamado “modelines” que tenho certeza que muita gente já viu lá na lista de plugins mas não sabe para que serve. bem vamos a uma breve explicação:

Alguns editores de texto, como o Vim, Emacs e até mesmo o Kate, suportam um recurso com este nome, que nada mais é que incluir uma linha no arquivo em edição para definir o modo de operação sobre este arquivo mode-line.

antes a definição mínima:

“ShiftWidth é a quantidade de espaços que são inseridos para cada TAB”

“TabStop é a quantidade de espaços que um TAB vai ocupar na visualização”

vejamos um exemple de modeline do vim:

# vim:set ts=4 sw=4 noexpandtab:

que significa:

defina o tabstop para 4 e o shiftwidth para 4 e não expanda os tabs para espaços.

podemos utilizar esta mesma linha no gedit com o plugin modeline ativado.

um exemplo para arquivos ruby seria:

# vim:set ts=2 sw=2 expandtab nowrap textwidth=80

ou seja, estamos definindo para trocar tabs por espaços utilizando um tabstop/shiftwidth de 2 caracteres, não queremos que ele quebre as linhas e queremos a régua de texto na posição 80 caracteres.

um exemplo para python seria algo como:

# vim:set ts=4 sw=4 expandtab nowrap textwidth=80

basicamente a mesma coisa só que com um tabstop/shiftwidth de 4 caracteres.

experimente colocando esta linha no início do seu arquivo e ir modificando ela e vendo os resultados automaticamente.

esta linha funciona no gedit para qualquer linguagem, basta estar presente no arquivo nas primeiras 3 linhas em um comentário. o aconselhável é você utilizar o plugin de snippets(trechos) para criar um header para cada tipo de arquivo que você utiliza, onde você pode além desta informação colocar a licença de uso etc etc… a criatividade é sua.

Não deixe de conferir meu set de plugins para tornar o gedit uma “Rails IDE”

Read Full Post »

Mesmo os testes automatizados rodando perfeitamente com as nofitificações libnotify do gnome eu ainda não fiquei sossegado, afinal aquela mensagem ali na parte de baixo da tela (me lembrando os tempos de windows) não estava muito ao meu agrado, além de que segundos após a mensagem some e não há outro modo a não ser ir até o console para verificar o que havia acontecido (não que seja algo ruim, pois eu particularmente prefiro trabalhar sempre com a janela do editor não cobrindo a tela toda e ter o final da saida da linha de comando de um shell sempre visível). Pesquisando um pouquinho mais sobre o assunto dos testes automatizados e notificações encontrei este post, falando sobre o ruby-libnotify. Hum, vejamos, no post original o autor sugere que instalemos os seguintes componentes via apt-get:

ruby-gnome2 build-essential ruby1.8-dev libnotify-dev.

O detalhe é apenas que a biblioteca ruby-gnome2 (ao menos no Ubuntu) instala toda a parafernalha do Ruby/GTK, coisa que aparentemente não precisamos, uma vez que vamos dar um simples require 'gtk2' em nosso arquivo de configurações. Lendo os comentários do post havia um que dizia que o arquivo gtk2.rb pertencia à biblioteca libgtk2-ruby1.8 (que é instalada juntamente com o restante da parafernalha por ser um requisito da ruby-gnome2). Note que a instalação da libgtk2-ruby1.8 também vai instalar bastante dependências, mas acredito que sejam aproximadamente a metade dos pacotes.

Vamos a instalação e configuração:

primeiro, abra um terminal e vamos aos comandos.

$ sudo apt-get install libgtk2-ruby1.8 build-essential ruby1.8-dev libnotify-dev

ele vai instalar todas as dependências, mas são todos pacotes pequenos
Agora você vai precisar do pacote ruby-libnotify, baixar e instalar com os comandos:

$ wget -c http://rubyforge.org/frs/download.php/27134/ruby-libnotify-0.3.3.tar.bz2
$ tar -jxvf ruby-libnotify-0.3.3.tar.bz2
$ cd ruby-libnotify-0.3.3
$ ruby extconf.rb && make && sudo make install

Isso roda a configuração, compila e instala a extensão.

agora você precisa de uma versão modificada do arquivo .autotest do post anterior: (baixe aqui se tiver problemas com as aspas)

 

#!/usr/bin/env ruby
#
# Copyright (c) 2007 Thomas Weibel,

#
# This program is free software; you can redistribute it and/or modify it
# under the terms of the GNU General Public License as published by the
# Free Software Foundation; either version 2 of the License, or (at your
# option) any later version.

require 'rnotify'
require 'gtk2'

module Autotest::RNotify
  class Notification
    attr_accessor :verbose, :image_root, :tray_icon, :notification,
    :image_pass, :image_pending, :image_fail

    def initialize(timeout = 5000,
                   image_root = "#{ENV['HOME']}/.autotest_images" ,
                   verbose = false)
      self.verbose = verbose
      self.image_root = image_root

      puts 'Autotest Hook: loading Notify' if verbose
      Notify.init('Autotest') || raise('Failed to initialize Notify')

      puts 'Autotest Hook: initializing tray icon' if verbose
      self.tray_icon = Gtk::StatusIcon.new
      tray_icon.icon_name = 'face-monkey'
      tray_icon.tooltip = 'RSpec Autotest'

      puts 'Autotest Hook: Creating Notifier' if verbose
      self.notification = Notify::Notification.new('X', nil, nil, tray_icon)
      notification.timeout = timeout

      Thread.new { Gtk.main }
      sleep 1
      tray_icon.embedded? || raise('Failed to set up tray icon')
    end

    def notify(icon, tray, title, message)
      notification.update(title, message, nil)
      notification.pixbuf_icon = icon
      tray_icon.tooltip = "Last Result: #{message}"
      tray_icon.icon_name = tray
      notification.show
    end

    def passed(title, message)

      self.image_pass ||= Gdk::Pixbuf.new("#{image_root}/pass.png", 48,48)
      notify(image_pass, 'face-smile', title, message)
    end

    def pending(title, message)
      self.image_pending ||= Gdk::Pixbuf.new("#{image_root}/pending.png",48,48)
      notify(image_pending, 'face-surprise', title, message)
    end

    def failed(title, message)
      self.image_fail ||= Gdk::Pixbuf.new("#{image_root}/fail.png", 48,48)
      notify(image_fail, 'face-sad', title, message)
    end

    def quit
      puts 'Autotest Hook: Shutting Down...' if verbose
      #Notify.uninit
      Gtk.main_quit
    end
  end

  Autotest.add_hook :initialize do |at|
    @notify = Notification.new
  end

  Autotest.add_hook :ran_command do |at|
    results = at.results.last

    unless results.nil?
      # Test::Unit
      if results.include? 'tests'
        output =
          results[/(\d+)\s+tests?,\s*(\d+)\s+assertions?,\s*(\d+)\s+failures?(,\s*(\d+)\s+errors)?/]
        if output
          failures = $~[3].to_i + $~[5].to_i
        end
      # RSpec
      else
        output =
          results[/(\d+)\s+examples?,\s*(\d+)\s+failures?(,\s*(\d+)\s+pending)?/]
        if output
          failures = $~[2].to_i
          pending = $~[4].to_i
        end
      end

      if failures > 0
        @notify.failed("Tests Failed", output)
      elsif pending > 0
        @notify.pending("Tests Pending", output)
      else
        unless at.tainted
          @notify.passed("All Tests Passed", output)
        else
          @notify.passed("Tests Passed", output)
        end
      end
    end
  end

  Autotest.add_hook :quit do |at|
    @notify.quit
  end
end

opcionalmente você pode baixar diretamente do post do autor, um arquivo zip contendo o .autotest e as imagens
não esqueça que o arquivo deve ficar dentro de sua pasta HOME

autotest imagesautotest imagesautotest images

as Imagens utilizadas foram baixadas daqui. para utilizar com o script acima, baixe as imagens e descompacte dentro de um diretório chamado .autotest_images dentro de sua pasta HOME

Read Full Post »

A documentação de projetos é algo importante, coisa que normalmente os desenvolvedores acabam deixando de lado, mas quando se está trabalhando com um projeto Rails, a documentação do banco de dados e dos controllers fica bastante facilitada, utilizando um utilitário chamado RailRoad.

o RailRoad pode gerar os seguintes diagramas:

  • Diagramas de modelos (MER), mostrando tanto a hierarquia de classes(herança) como as associações existentes no smodelos. é possível também escolher se quer ou não exibir informações sobre colunas e sobre os tipos de dados utilizados.
  • Diagramas dos controllers, mostrando a hierarquia de classes (herança). É possível incluir os métosos, inclusive agrupados pela visibilidade (publicos, privados, protegidos)
  • E para quem usa o plugin “acts_as_state_machine” gera também os diagramas de estado.

o RailRoad utiliza o Graphviz para gerar imagens dos modelos

Para instalar o RailRoad no linux (Ubuntu) siga os seguintes passos:

$sudo apt-get install graphviz
$sudo gem install railroad

– Ignore o primeiro comando se voce já tiver o graphviz instalado.
– para outras distribuições, verifique se o graphviz está no gerenciador de pacotes e instale-o
– Para windows obtenha o graphviz aqui.

Exemplos diretamente do site do RailRoad:

Diagrama de modelo:

Diagrama de modelo

Diagrama de controllers:
Diagrama de controllers

você pode ver mais exemplos diretamente no site: http://railroad.rubyforge.org/

Read Full Post »

Bem, em um post anterior falei sobre minha jornada até encontrar a solução para as notificações de testes. pois bem, modifica lá, modifica aqui, modifica ali, e acabei com a seguinte versão do meu arquivo ~/.autotest.

outro dia já havia visto algumas alterações feitas pelo Carlos na versao dele do .autotest, mas acabei não mexendo no meu pois, o meu era voltado para o Test::Unit e o dele para o rSpec

Pois bem, hoje ele publicou uma nova versão compatível também com o Test::Unit, então resolvi simplesmente compatibilizar com as duas plataformas. O resultado você pode acompanhar aqui :~/.autotest

Eu particularmente uso o Ubuntu, portanto não testei em outros linux, mas a chance de funcionar é grande uma vez que depende apenas das bibliotecas tratadas no post anterior.

Quem sabe isto não vire um mini-projeto de fácil instalação e multiplataforma [Apenas copie o arquivo para seu diretório Home]

Só falta alguém fazer funcionar no Windows, o que não me parece difícil, visto que existe um pacote chamado snarl que pode resolver este problema. Prometo que assim que eu tiver um tempo e acesso a um Windows (ninguém me força a botar o CD de restore do meu Acer no drive) tentarei fazer por mim mesmo esta compatibilidade para a comunidade.


Well, in the last post I wrote about my journey until find a solution to test notifications with Rails.  That’s right, a change here, a change there, and I finally got my working version of ~/.autotest.

 

Some days ago I already seen some modifications made by Carlos in his version of .autotest, but, I don’t made any change in my version because the mine was written for Test::Unit and his for rSpecToday he published a new version compatible also with Test::Unit, so I decide to simply compatibilize it with both platforms. The result you can see here:~/.autotest

I use Ubuntu, so I have not tested in another distros, but the chance that all will work is very large, since the dependencies are just libraries listed in my last post.

Who knows it can became a mini-project with easy instalation and multiplatform [Just copy the file to your Home directory]

We will wait some people get it working in Windows, it not seems to be difficult, because exists a package named snarl that can help to solve this problem. I promise that when I get time and have access to a Windows machine (nobody will force-me to put the Acer system restore CD in my CD-ROM drive) I willl try to get it working by myself for the community.

Read Full Post »

Older Posts »